FERIADO EM BUENOS AIRES

by Coentro Comunica


Vitrine fofa em Palermo

Vitrine fofa em Palermo

Mais um feriado se aproxima! E falando nisso, esse ano está cheio deles. Pensando nisso, resolvemos dividir aqui as dicas de Buenos Aires que a Bianca reuniu em sua última viagem. O destino é perfeito para conhecer em um período curto: um voo de três horinhas e você já está na capital porteña! 

Em poucos dias é possível visitar os pontos mais turísticos e as atrações gastronômicas. Quer ver só?

Agende o vôo mais cedo que conseguir na sexta-feira. Apesar do aeroporto Ezeiza ser famoso pelo freeshop, prefira chegar pelo Aeroparque e perca menos tempo na hora de se estabelecer. Minha sugestão é se hospedar na região de Palermo, que é charmosa de dia e badalada a noite. Bônus: dá pra fazer um monte de coisas a pé.

Reserve o fim de tarde e o início da noite para passear pelos diques de Puerto Madero. A região é considerada um dos projetos de renovação mais bem sucedidos do mundo, e é lá que está a famosa Puente de la Mujer, do arquiteto espanhol Santiago Calatrava.

Para jantar, experimente o Chila (Alicia Moreau de Justo, 1160), que fica ali pertinho. O restaurante da chef María Soledad Nardelli, nº. 22 entre os 50 Best na edição latino-americana da lista, tem cardápio com apenas três pratos à la carte ou um menu-degustação de sete tempos, utilizando somente ingredientes regionais.

Se gostar do bairro e tiver tempo, escolha um dia para voltar pela manhã e aproveitar o Parque Nacional Constanera Sur e a Reserva Ecológica – ótimos lugares para fotografar e fazer longos passeios de bicicleta.

Comece o sábado passeando por Palermo. Dica: pegue um mapa e desenhe um quadrado que começa na esquina das ruas Gorriti e Uriarte, segue até a Malabia, vai em linha reta até a Praça Armênia e volta até a Uriarte, na esquina com a Costa Rica. Perca-se por ali. Aos finais de semana, as ruas ao redor da Plaza Serrano se transformam em feirinhas ao ar livre, e as casas noturnas abrem as portas para novos estilistas e designers independentes venderem suas peças. Note, na praça, pedras para jogar amarelinha, uma referência ao Rayuela, livro clássico de Julio Cortázar que se passa na rua que dá nome à praça (e que hoje se chama Jorge Luis Borges).

Interior da Paul French Gallery

Interior da Paul French Gallery

Como não dá pra indicar todas as lojas, destaco algumas que me encantaram. Em primeiríssimo lugar, a Paul French Gallery . Lá, itens de jardinagem e objetos de decoração simples, rústicos e maravilhosos se misturam com flores da Tata flowers pelo caminho. Há um café da Decata, com delicinhas para provar e uma loja incrível, a Tealosophy, da Ines Berton – incrível, e um café.

Falando em café, dentro da livraria Libros del Pasaje há um espaço ideal para pedir uma medialuna com jamon y queso e começar a folhear as novas aquisições literárias ali mesmo.

Se o foco das comprar forem os vinhos, indico a Ja! Lo de Joaín Alberdi , que faz degustações acompanhadas e tem uma equipe muito profissa pra indicar os melhores vinhos para cada ocasião. Tem para todos os gostos e de todos os preços!

Ali ao lado (do lado mesmo) tem o Burger Joint, que você reconhece pelo luminoso em forma de hambúrguer do lado de fora. Zero decoração, não aceita cartões e tem, no máximo, cinco opções de lanches, com ou sem fritas, com três tipos de cerveja, um drink da casa, água ou refri pra acompanhar.  É simplesmente delicioso!

Garrafa gigante na frente da loja Ja! Lo de Joain Alberti

Garrafa gigante na frente da loja Ja! Lo de Joain Alberti

Para um jantar "de verdade", faça reserva no La Cabrera. Comece com uma típica morcilla (linguiça de sangue), ou com uma empanada, se preferir, e depois escolha um entre os tantos cortes de carne servidos no local. Todos os pedidos são servidos com uma tábua de madeira cheia de potinhos com uma série de molhos, picles, vinagretes e outros acompanhamentos criativos.

Pelas ruas do Caminito

Pelas ruas do Caminito

Se quiser badalar mais, encerre a noite no Rosebar. A balada em Buenos Aires começa a pegar mesmo lá pelas três da manhã, então nem pense em chegar antes da meia-noite. O ambiente é maravilhoso, decorado com peças escuras e grandes lustres, e as duas pistas tocam de tudo.

No domingo, explore o bairro do Caminito, e já que está por lá, não deixe de visitar o museu da Fundación Proa. No último andar, um café com terraço dá uma bela vista panorâmica. Se gostar de futebol, estique o passeio até La Bombonera e conheça o Estádio do Boca Juniors. Na volta, é caminho passar pelo charmoso bairro de San Telmo. Aproveite e conheça a feirinha de antiguidades.

Linda vitrine do café Pani

Linda vitrine do café Pani

Guarde um ou dois dias para visitar os pontos mais turísticos: o Obelisco, o Teatro Cólon, que só por fora já é lindo, mas que tem apresentações incríveis e faz visitas guiadas, a Casa Rosada (um pouco de história não faz mal, né?), o Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, o Malba, o tradicional Café Tortoni (embora gastronomicamente eu ache que é uma furada, não dá pra ignorar a fama do local)!  Também recomendo o El Ateneo, que está entre as livrarias mais lindas do mundo, situada num prédio de 1919 que foi concebido inicialmente como um teatro e o Jardin Japonês, parque lindo que merece um piquenique. Tem também o Cemitério da Recoleta, pra quem não achar muito mórbido. E se for até lá, dê uma passada no Recoleta Mall para conhecer o Pani, um café onde tudo é exageradamente bom: a decoração é cheia de detalhes gracinhas e as porções são gigantescas.

Por fim, faça as malas com pesar e volte ao Brasil carregado de garrafas de vinho, alguns quilinhos acima do peso e contando os dias para voltar!